segunda-feira, 28 de maio de 2012

Sertão Central | O azul e o encarnado colorem Belmonte


Lembranças da Cavalhada quando ainda era praticada na rua de Serrita (Foto: Arquivo de Edízio Carvalho)
Uma terra de cavaleiros de “outro tempo”
Por Raquel Holanda
Desde o início da semana, as ruas da cidade de São José do Belmonte ganharam faixas e sinalizações que avisam sobre a chegada do Festival Pernambuco Nação Cultural ao Sertão Central. Mas desde a manhã dessa sexta-feira (25/5), outros elementos entraram em cena no município: bandeiras penduradas em postes e árvores nas cores azul e encarnado (vermelho vivo). O motivo disso é a proximidade das tradicionais Cavalhada e Cavalgada no município, que marcam a festa da conversão dos mouros pelos cristãos. Incorporadas pelo FPNC na região, as celebrações são realizadas neste sábado (26/5) e domingo  (27/5), respectivamente, na cidade.
Os belmontenses são anfitriões da Cavalhada há 16 anos, uma festa tradicional que no começo era celebrada em via pública e anos depois passou a ter o Estádio Carvalhão como sua sede. Nela, 12 cavaleiros vestidos de azul e encarnado, montam em seus cavalos e participam do jogo com argolas para disputar qual dos dois grupos será campeão. Acompanhando cada passo dos cavaleiros está a rainha que espera, impacientemente, o final da disputa para ver qual dos dois reis irá coroar.

À esquerda, Zeca Miron, criador da Cavalhada em Belmonte (Foto: Arquivo de Edízio Carvalho)
Até 2002, a Cavalhada era organizada por Zeca Miron, o criador da tradição que ano após ano tornou-se parte da cultura de Belmonte. Em homenagem ao criador,  o evento passou a ser chamado de Cavalhada Zeca Miron no ano seguinte ao seu falecimento. Atualmente, é organizado por uma comissão da Associação Cultural Pedra do Reino, coordenada por Edízio Carvalho. Enquanto esperava os demais integrantes da comissão para ajustar os últimos detalhes da Cavalhada, Edízio conversou com os repórteres do fpnc.org e contou como são os preparativos para o grande dia. “Começamos os ensaios e a preparação da Cavalhada em abril, os candidatos a cavaleiros participam dos ensaios com os cavalos e argolas, e cuidamos de tudo para que a festa aconteça da melhor forma”, fala Edízio.
Um dos cavaleiros dessa manifestação típica de São José do Belmonte é Airton da Silva, que apesar dos 18 anos, já desfila há três como tal. “Já comecei a correr na argola, pois eu sempre assistia e resolvi participar da corrida”, comentou o jovem, que também ajudou na decoração da cidade, distribuindo bandeiras nos tons da tradição pelas principais ruas de sua terra.
A Cavalhada começa neste sábado às 14h, com a concentração dos cavaleiros na Igreja de São José, a matriz da cidade. De lá, eles partem, percorrendo as principais ruas de Belmonte, com destino ao estádio municipal Carvalhão.”Cavaleiros mascarados lideram o cortejo pra anunciar a Cavalhada, seguidos do estandarte da Cavalhada, logo após a rainha (Milena) e os dois reis (Jaime Magalhães e Pequeno) e os cavaleiros conduzindo as bandeiras do Brasil, de Pernambuco, de São José do Belmonte, da Associação, do Azul, do Encarnado e de São Jorge”, explica Edízio. Ele fala ainda que anualmente os postos de reis e rainha são vividos por belmontenses diferentes. Por volta das 15h, todos estarão a postos no estádio. “Reis” e “rainha” observarão atentamente cada disputa dos cavaleiros, a fim de conhecerem os campeões da batalha.

Nenhum comentário:

Postar um comentário